2010/08/06

28 - Luto - SIM

A morte é a única certeza da vida. Daqui a cem anos, quero que continuemos a morrer - esse post deveria se chamar "Imortalidade - NÃO" - e que saibamos lidar com isso

Quero muito, muito mesmo, que as sociedades existentes na Terra daqui a cem anos tenham uma compreensão elevada da vida e de seu sentido dentro de um universo que é maior do que o tempo e o espaço como conhecemos.

Seja a vida uma passagem entre um lugar e outro, ou não, o fato é que ela tem um começo e um fim. Às vezes parece que vivemos como se ela não fosse acabar nunca. Mas o fim sempre chega.

O que acontece com quem morre? Ninguém sabe, só quem já passou por isso. Mas o que acontece com os que continuam vivos é um sentimento de tristeza, saudade antecipada e eterna e uma incapacidade de fugir das perguntas que nos assombram quando nos despojamos de todas as futilidades as quais nos agarramos durante a vida. Nos distraímos para esquecer. Inventamos problemas para não pensar nas questões reais, naquelas que insistimos em acreditar que tenham resposta, embora ninguém nunca tenha de fato respondido. Sim, estou falando da boa e velha pergunta: "Qual o sentido da vida?.

A morte nos faz pensar nisso. Não há como escapar. Pensamos no enterro, no custos do cemitério, na funerária, em avisar os amigos e parentes, em mil coisas, mas não há como escapar: a questão está lá, no fundo de tudo. Fugir só pioraria as coisas. Fingir que a questão não nos aflige é como fingir que não se tem uma ferida, deixá-la lá, aberta exposta. Com o tempo, ela infecciona, cresce, dói, se torna insuportável.

Por isso, é importante respeitar o momento. Cuidar da ferida para que ela não infeccione. O luto é o momento de cuidar da ferida que não sangra, mas que faz jorrar as perguntas que não têm resposta.

Por mais que seja impossível responder, precisamos perguntar. No luto, perguntamos e, de alguma maneira, nos aproximamos da resposta.

Espero que daqui a cem anos continuemos a morrer e que as sociedades saibam respeitar o momento daqueles que continuam a viver. Que os rituais de luto existam e sejam peça importante no aprendizado dos vivos.

2 comentários:

  1. Seus textos lavam minha alma, parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada. Fico muito feliz em receber seu comentário. Esses últimos anos foram difíceis para mim, mas estou voltando. Espero que você esteja bem.

      Excluir